Arquivo da tag: Spring/Summer 2012

Paris FW, S/S 2012: Chanel

Padrão

Mais uma vez Karl Lagerfeld levou a temática da natureza para a sua passarela. Ele que já foi capaz de colocar uma enorme calota polar derretendo bem no meio do Grand Palais na apresentação de sua coleção de inverno/2011, além de ter transformado o mesmo local no cenário de um mundo devastado para o desfile da coleção de outono-inverno/2012 (o “fim do mundo”), chamando a atenção para os problemas ambientais, desta vez o kaiser levou a Chanel a um mergulho nos oceanos e encheu sua passarela montada no centro do Grand Palais, com conchas, corais, bolhas, pérolas e tudo o mais que remetia à temática do fundo marinho, mas sem mostrar um ambiente destruido e poluido, pelo menos não totalmente, pois até mesmo o oceano de glamour e pra lá de luxuoso da Chanel não está livre da ação devastadora do homem: um convidado desavisado (e/ou descuidado) deixou uma garrafinha plástica de água vazia jogada pelo chão do Grand Palais, garrafinha essa que serviu para a diversão de um simpático cãozinho (levado para lá não se sabe por quem) que se divertiu roendo o objeto.

Ah sim! Além de toda grandiosidade que sempre é o desfile da Chanel, a apresentação da coleção de verão/2012 da maison teve direito a apresentação ao vivo de Florence Welch, da banda inglesa The Machine, que surgiu dentro de uma ostra que se abriu, arrancando gritinhos e aplausos da platéia (o vídeo postado acima mostra um pouco desse momento). Aliás, participações de Florence nos desfiles da Chanel sempre ficam ótimas. A cantora também se apresentou no desfile da coleção Pre-Fall 2007/2008 “Paris-London”, dando um show a parte.

É… O mar criado por Lagerfeld também sofre com o problema das garrafas plásticas jogadas no meio ambiente, mas no caso da Chanel, não é qualquer garrafa, é uma de água Evian (Très chic!).

Abaixo, mais alguns detalhes dos looks da coleção de verão/2012 da Chanel:

Fotos: Ana Clara Garmendia (Moda Paris)

Anúncios

Paris FW, S/S 2012: japonismo

Padrão

Os dias de ontem e hoje (01/10), foi o dia dos japoneses em Paris. Ver e admirar o trabalho desses estilistas é sempre um convite a pensarmos sobre o que é, afinal, a moda, sobre seu lado utilitário e despojado de seu papel mais básico que é o de vestir o corpo. A importância dos designers japoneses para a moda, neste sentido, é fundamental e não pode passar desapercebido, se trata, afinal, de um estilo muito único, enquadrado naquilo que é denominado de “japonismo”.

Japonismo é a  influência de obras artísticas do Japão no Ocidente. Começou a ocorrer por volta segunda metade do século XIX, sendo promovida pelas Exposições Internacionais de 1862, 1867 e 1878, em cidades como Londres e Paris. O Japão passou por volta de três séculos, sem contato com o ocidente, e sua cultura era desconhecida para o resto do mundo. Enquanto estiveram isolados, os japoneses criaram estilos originais de expressão artística, com fortes influências também na moda. O Japonismo não deve ser considerado como uma “cópia” do Japão pelo ocidente, mas sim um encontro entre as duas culturas. A nova concepção plástica foi marcada pela assimetria, ausência de profundidade, cores chapadas etc, características muito bem observadas nos looks criados pelos estilistas japoneses. Mas onde e quando, de fato, os estilstas nipônicos começam a aparecer no mundo da moda?

Um dos marcos na moda da década de 1980 foi o aparecimento de estilistas nipônicos que surpreenderam o mundo com seus novos conceitos e coleções de roupas totalmente inesperadas. Na época destacaram-se três, foram eles: Rei Kawabuko, Yohji Yamamoto e Issey Miyake (abaixo, uma breve descrição dos trabalhos deles). Esses geniais designers mudaram os conceitos sobre o modo de se vestir trazendo formas esculturais e arquitetônicas para as roupas. Suas propostas eram tipicamente japonesas, com roupas de tecidos naturais tingidos com ervas, cores neutras, como preto, cinza e tons de terra, repletas de valores ancestrais e ecológicos. No verão de 1983, fizeram os fashionistas em todo o mundo suar frio, enchendo-se de perplexidade ou de entusiasmo. É que eles afirmaram um estilo que mudava totalmente o consenso e a estética que até então vigorava na moda, sobretudo o da “mulher fatal”. Algumas peças faziam referência ao fim do mundo, Hiroshima e à influência do movimento punk, com saltos baixos, ausência de maquiagem, pudor e reserva com pouco corpo à mostra.

Rei Kawakubo

A fundadora da Comme des Garçons, estudou filosofia, arte e literatura, formação determinante para a proposta conceitual de suas peças. As roupas apresentadas na primeira coleção de sua grife, em 1981, desafiavam todas as convenções pelo tratamento dos volumes e das proporções, que ganharam um novo equilíbrio, pela presença de comprimentos irregulares e pelas superposições assimétricas. O uso do preto, cor não muito popular à época, se impôs em definitivo no dia-a-dia. As construções da estilista são esculturais, voltando-se mais para a estrutura do que para a superfície.

Yohji Yamamoto

Nascido em 1943, este mestre japonês da arte de cortar e grande arquiteto do vestuário põe em questão a estrutura e a postura do traje em cada uma de suas coleções. Distancia-se do estilo sexy da mulher fatal. Propõe uma mulher casta, reservada, exibindo uma neutralidade de fachada. A mulher, segundo Yamamoto, somente se revela pouco a pouco.

Issey Miyake

Ficou conhecido por contestar, questionar e estar sempre à procura de novos caminhos para as vestimentas. Nos anos 1980, investiu nas técnicas dos plissados, realizando modelos que remetiam ao universo das gaiolas e lanternas orientais, esculturas e às formas da Antiguidade. Seus vestidos de linha plissada são sua marca registrada. Miyake nasceu em 1938 em Hiroshima, no Japão, e formou-se em artes gráficas. Trabalhou com Hubert Givenchy, em Paris, e mostrou sua primeira coleção em Nova York em 1972.

Ao lado de Yohji Yamamoto e da Comme des Garçons, na atualidade, são sucesso também duas estilistas que herdaram toda a influência nipônica na moda para a criação de seus looks, são elas: Junya Watanabe e Tsumori Chisato. Ambas apresentaram suas coleções na Paris FW, sendo bastante elogiadas.

Abaixo alguns dos looks desfilados pelos estilistas nipônicos, ontem (30.09) e hoje (01.10)  na Paris FW:

Yohji Yamamoto

Comme des Garçons

Junya Watanabe

Tsumori Chisato

Fotos: Reprodução

The look: Paris FW, S/S 2012, Carine Roitfield e seu street style de luxe

Padrão

A semana de moda de Paris nunca cansa. Sempre tem algo para se ver e comentar, seja dentro ou fora das passarelas. A cidade eternamente linda, fica ainda mais fantástica com tanta movimentação e o corre corre frenético de fashionistas, modelos, fotógrafos, jornalistas e editores de moda, todos ávidos para não perder nada do que se passa pela cidade durante a sua fashion week.

Em meio a tanta movimentação e tanta gente interessante, bons looks nas ruas é o que não falta. Para quem AMA street style o lugar é Paris, com certeza… Queria postar sobre todos os looks que se vê nas ruas da capital francesa, mas isso resultaria em um post, ou em uma sequências de posts gigantescos, dada a quantidade de imagens que teria para postar. Assim, escolhi apenas uma persona, ninguém mais e ninguém menos que Carine Roitfield, a célebre ex-editora chefe da Vogue Paris.

Ela é a eleita de 10 entre 10 blogueiros de moda que têm em sua pessoa a concretização daquilo que se gosta de ver por aí: estilo e elegância sempre muito bem dosados, sem exageros e com total bom gosto, pois em todos esse quesitos, não tem jeito, Carine é hour concour (always!).

Confira abaixo alguns exemplos disso:

Fotos: Ana Clara Garmendia (Moda Paris) Reprodução

Balenciaga e Pedro Lourenço redescobrem a franja para o verão/2012

Padrão

A Paris Fashion Week ainda não acabou e, olhem só, já é possível ver algumas das idéias que estão despontando nesta edição do evento e que, certamente, ainda serão vistas (e muito!) por aí. Quer apostar?

Uma dessas idéias diz respeito às franjas. Pois é, elas já haviam aparecido, mas sem muito alarde, na coleção secreta que Tom Ford lançou no final do ano passado marcando o seu return à moda feminina. Nas coleções de verão/2012 que estão sendo desfiladas em Paris as franjas já foram vistas até agora, magistralmente, nas coleções de Pedro Lourenço e na Balenciaga. Vamos aguardar para ver onde mais elas deverão marcar presença.


Franjas na saia do look criado por Pedro Lourenço e também na Balenciaga

Fotos: Reprodução

Paris FW, S/S 2012: Pedro Lourenço

Padrão

Começou! Encerrando a temporada internacional de desfiles de verão 2012, Paris iniciou hoje a sua semana de moda e logo no primeiro dia o brasileiro Pedro Lourenço exibiu suas criações. O estilista abriu o desfile com jaquetas e coletes de formas arquitetônicas e arredondadas – uma de suas marcas registradas e influência do trabalho de sua mãe, Gloria Coelho – combinados com calças de cintura baixa e saias de franjas.

A inspiração para esta coleção veio das grandes cidades e Pedro apresentou criações elegantes e contemporâneas, apostando em peças de ar tecnológico e efeito metalizado, repetindo os elogios da imprensa especializada como tem conseguido desde a sua primeira participação na Paris Fashion Week.

Fotos: Reprodução

Milão FW, Prada womenswear S/S 2012

Padrão

Miuccia Prada parece ter levado à sua passarela feminina de verão 2012 a doçura como a tônica para essa coleção, mas apenas parece, pois é complicado falar em um único foco ou em exatamente na inspiração para as coleções da Prada. O clima de mistério criado, inclusive, pela trilha sonora densa, proporciona a atmosfera perfeita para fazer sonhar e deixar a tdos divagando sobre questões como: sexo/sensualidade, sofisticação/minimalismo, poder/sedução, e, enfim, tantas outras palavras-chave que permearam a minha e certamente as demais cabeças daqueles que viram esta coleção.

Miuccia sempre guarda um carta  a mais em suas mangas e nunca entrega assim facilmente aquilo que, de fato, ela pretende apresentar. Penetrar nos domínios dos seu subconsciente é tarefa árdua (impossível? Quem sabe!). Em seus desfiles sempre existem muitas camadas de subjetividade e é necessário um bom (e aprofundado) exercício de interpretação para tentar chegar próximo àquilo que a designer propõe. Mas vamos lá dar uma arriscada acerca das pretensões de Miuccia nesta coleção…

As barrigas de fora e os tops da primeira parte do desfile, a saia lápis kitsch, os acessórios como brincos, cintos e colares, tudo isso leva a crer que a Prada está apresentando “mulheres-objeto” para o verão 2012 (algo que me remeteu de imediato à coleção de verão 2009 da grife).

A coleção, de início, dá a nítida impressão de estar sendo direcionada para um clima mais sexy (too sexy), mas quando você está esperando que os looks fiquem ainda mais sumários, Miuccia dá uma reviravolta e nos presenteia com saisas amplas plissadas, jaquetas de tafetá e bordados, muitos bordados brilhosos e discretamente aplicados em detalhes.

Especulações e críticas à parte, uma coisa é certa, a Prada mais uma vez fez um daqueles desfiles que estão entre os mais esperados na semana de moda de Milão e, agradando ou não, sempre dá (e muito!) o que falar.

London FW, Burberry Prorsum – S/S 2012

Padrão

 

A semana de moda de Londres mais uma vez se afirma como um dos maiores acontecimentos do planeta fashion e, como não poderia deixar de ser, teve ontem um dos seus grandes momentos com a apresentação da coleção feminina de primavera/verão 2012 da Burberry que a contar com a grandeza do evento, se mostrou com um dos melhores fashion shows vistos até agora nesta temporada londrina.

Espectadores de todo o mundo puderam assistir ao desfile, transmitido em tempo real por meio das várias plataformas da marca, como Burberry.com, o Twitter e a página oficial da grife no Facebook. O espetáculo mostrou desde a chegada dos convidados famosos ao local do desfile, passando pelos bastidores além da apresentação da coleção em um cenário maravilhoso, clean, moderno e com boa iluminação (inclusive a natural).

O vídeo abaixo, do canal da Burberry no Youtube, nos dá uma boa visão de como foi esse incrível show: