Arquivo da tag: Paris

As novas gladiadoras de Valentino

Padrão

O passado nunca está morto, assim pontuou Nicole Phelps, do Style.com sobre a semana de alta-costura de Paris, que encerra amanhã. E para confirmar o que escreveu a jornalista, a coleção de alta-costura 2015 da maison Valentino trouxe de volta em sua passarela clássicos da moda. Entre eles, destaque para as versões atualizadas das sandálias gladiadoras, verdadeiros hits em algumas estações passadas, que desta vez reapareceram com tiras que amarram as pernas até os joelhos.

Casando perfeitamente com esses calçados, os vestidos desta coleção, no melhor estilo das mulheres da antiguidade clássica, podem ser definidos como verdadeiras reinterpretações das túnicas romanas, tudo a ver com as gladiadoras.

A coleção, leve e romântica, também apresentou toques firmes de crueza e simplicidade. Isso pode ser notado, não só nas sandálias, mas também nas cintas de couro, nos bordados, nas cores dos vestidos, entre outros detalhes. Tudo isso com muita elegância, aliás uma característica típica das coleções de Valentino.

 Valentino1Valentino2

Valentino3

Valentino4

Valentino6

Valentino7

Os detalhes do inverno 2013 da Dior

Padrão

Atenção aos detalhes… É sobre eles que se trata este post. A coleção fall 2013 da maison Dior, apresentada no início deste mês em Paris, mostrou uma verdadeira profusão de formas, cores e texturas instigando o público a aprender a lição: a tendência do combinar “descombinando” está entre as apostas da grife para próxima temporada.

Dior1

Dior2

Dior3

Dior5

Dior4

Dior6

Dior7

Dior8

Dior9

Fotos: Style.com

Tendência: os anéis de unha da Chanel

Padrão
Quem precisa de esmalte quando se tem poderosos anéis de unha como estes das fotos? Foi esta a ideia lançada pela maison Chanel em seu desfile couture de inverno 2014, realizado na manhã desta terça-feira, 02 de julho, no Grand Palais, em Paris.
A grife comandada por Karl Lagerfeld normalmente apresenta entre as suas tradições, apresentar um novo tom-desejo de esmalte para colorir as unhas das mulheres. Desta vez a proposta da grife foi outra: em vez do esmalte a Chanel enfeitou os dedos das modelos com aneis e mais aneis de brilhantes da sua alta-joalheria. A proposta, que certamente vai logo virar hit, é usar um mix de peças até a ponta dos dedos, cobrindo as unhas.
DSC_7477.450x675
DSC_7474.450x6751
DSC_7395.450x6753
Fotos: Style.com

Ainda sobre a criatividade nos looks masculinos…

Padrão

No post que publiquei anteriormente a este, falei sobre o fato de a moda masculina não permitir muitas variações e que, por isso, os estilistas precisam investir fortemente nos detalhes a fim de apresentar, a cada estação, algo de novo para o público.

Pois bem, continuado a tratar desse assunto, busquei a partir das criações da Givenchy, John Galliano e Louis Vuitton, dar três exemplos de como os detalhes podem fazer toda a diferença em se tratando de moda masculina. Vamos lá ver?

Givenchy

O uso de retratos na estamparia de camisas e jaquetas, muitas vezes sobrepostas, chamaram a atenção na coleção da Givenchy para o Verão 2013. Essa estamparia não é algo usual, digamos assim, nas produções feitas para os homens e a maison conseguiu renovar peças clássicas do vestuário masculino, como camisas e jaquetas, através do uso de tal técnica. O resultado? Peças desejáveis!

John Galliano

A marca John Galliano aproveitou elementos do vestuário feminino para o verão dos homens, como os maxicolares e chapéus com temática floral. A estamparia foi outro ponto que marcou a coleção, mas como o foco aqui são os detalhes, os maxicolares e os chapéus é que merecem destaque!

Louis Vuitton

A Louis Vuitton também mostrou suas novidades e estas ficaram por conta das bolsas para os rapazes. Os acessórios da grife  costumam sempre aparecer entre os itens mais cobiçados da marca e desta vez não será diferente com bolsas de formas e cores bem ousadas para renovar o guarda-roupas masculino.

Fotos: Reprodução

Chanel, couture inverno/11 e os sapatos-lanterna de Lagerfeld

Padrão

A apresentação da coleção de alta-costura da Chanel foi mais um daqueles momentos de deslumbramento para o mundo da moda e em se tratando da Chanel e de seu estilista Karl Lagerfeld, o deslumbramento e a grandiosidade começam pelo cenário.

Como tradicionalmente ocorre, a maison apresentou a sua coleção de alta-costura no Grand Palais que desta vez foi transformado em uma versão de luxe da Place Vendôme (reduto do luxo parisiense). A Place Vendôme recriada por Lagerfeld tinha uma estátua de Coco Chanel colocada no alto de um obelisco ao centro do cenário, de onde a fundadora da marca parecia ver tudo o que acontecia lá em baixo.

Evocando a magia de um passeio à luz das estrelas, Lagerfeld levou para sua passarela muito do chique parisiense, tudo com uma boa pegada de anos 30 revisitado.

Fora os looks, sempre acertados e elogiados, esta coleção inovou nos acessórios, mais especificamente nos sapatos. Uma espécie de “sapato-lanterna” foi o objeto certamente mais comentado desta coleção. Com luz acesa no bico, os tais sapatos surgiram na passarela como um efeito especial, reforçando a evocação do kaiser a um passeio à luz das estrelas na noite de Paris. Apenas efeito de passarela, é pouco provável (creio eu) que o acessório ganhe as ruas do mundo real, a não ser por alguma celebridade em busca dos seus quinze minutinhos de fama ou por Lady Gaga e as suas produções inusitadas.

Falando ainda em sapatos, vale citar que a Chanel foi a responsável pela ressureição dos clogs, os tamancos de madeira que já foram sucesso décadas atrás e que haviam alcançado o posto de “peça non grata” entre as fashionistas, voltando a ser ícones de desejo das mulheres após terem aparecido na passarela de verão/2010 da Chanel.

Fotos: Reprodução

O estilo moderno de Nicola Formichetti e as performances loucas de Lady Gaga para a Thierry Mugler

Padrão

No cargo recentemente alcançado de diretor criativo da Thierry Mugler, Nicola Formichetti apresentou hoje em Paris a coleção de inverno/2011 da grife, com direito a participações performáticas de Lady Gaga na passarela.

A coleção, com o tema “Anatomy of Change” (o mesmo título do vídeo divulgado pela Thierry Mugler no início da semana com imagens esculturais meio femininas, meio aliens) apresentou uma relação próxima ao clipe “Born this Way” de Gaga, a estrela principal do fashion show, com participações no melhor estilo que só mesmo ela consegue ter em suas aparições na mídia.

Falando sobre a coleção, ela reflete toda a modernidade já bem característica dos trabalhos de Nicola que, com a ajuda do estilista Sebastian Peigne, (des)construiu formas que pareciam estar saindo dos corpos das modelos. Assim, se viram muitas criações que só dão certo mesmo na passarela ou nos looks inusitados usados por Gaga. Muita valorização dos ombros, silhuetas justinhas, transparências e, para deixar as tops em pânico, saltos altíssimos (talvez não tão altos quanto as plataformas brancas usadas por Lady Gaga em sua entrada para encerrar o desfile).

O vídeo postado aqui no final confirma claramente tais impressões. Tops fazendo muitas poses, carão, looks de show. Em alguns momentos parece que estamos assistindo a um vídeo clipe.

Gaga em sua primeira entrada na passarela usando um modelito preto…

…no encerramento do desfile ela vestiu o look branco, com transparências e saltos altíssimos.

Acima, alguns looks da coleção de inverno/2011 da Mugler e a entrada de Gaga ao lado de Nicola e o estilista Sebastian Peigne na passarela.

 

Fotos e vídeo: Reprodução

Paris haute-couture: Dior, fall-winter 2010

Padrão

Assisitir a um desfile de alta-costura da Maison Dior é sempre um convite ao sonho e ao encantamento e em se tratando da coleção de inverno 2010 sonho e encantamento são palavras que a definem muito bem, pois se mesmo diante da expectativa pessimista diante da economia global John Galliano conseguiu transportar o público para um mundo a parte durante a apresentação de sua haute-couture 2009, o mesmo se deu desta vez.

Luxo, opulência, feminilidade, tudo isso esteve bem presente na passarela da Dior que apresentou sua coleção em uma enorme tenda montada nos jardins do Museu Rodin, em Paris. Os looks vieram cheios de cor, inspirados nas formas e no colorido das flores, basta notar os cortes em formatos que lembram pétalas que em conjunto formam as saias e os corpos de alguns vestidos. Pura magia! Roupas que podem ser consideradas como que jóias raras, cuidadosamente trabalhadas resultando em uma peça única. Nada de sutilezas e tudo de grandiosidade!

Quanto às cores, outro encantamento. Mais uma vez a comparação com o colorido das flores torna-se evidente. Efeitos em tye-die trouxeram um ar primaveril para uma coleção de inverno. E para quem poderia continuar com os brados de que a alta-costura morreu, Galliano deixa o recado: a alta-costura continua mais viva que nunca e, em se tratando da Dior, cor, glamour, exageros, enfim, VIDA, são adjetivos mais do que marcantes e apropriados.

Por fim, fica a deixa: Moda pode ser comparada às obras de arte? Para alguns não, para outros (entre os quais eu também) sim. Mas questionamentos e conceitos a parte o certo é que cada criação de alta-costura da Dior lembra em muito uma tela pintada a óleo onde cada traço, cada forma e coloridos são únicos. Na verdade, coleções assim nos levam a um escapismo diante da realidade e nos fazem pensar que estamos diante não apenas de um desfile de moda, mas de um desfile sobre a moda.

  

  

  

Fotos: Ana Clara Garmendia