Arquivo da categoria: Couture

As novas gladiadoras de Valentino

Padrão

O passado nunca está morto, assim pontuou Nicole Phelps, do Style.com sobre a semana de alta-costura de Paris, que encerra amanhã. E para confirmar o que escreveu a jornalista, a coleção de alta-costura 2015 da maison Valentino trouxe de volta em sua passarela clássicos da moda. Entre eles, destaque para as versões atualizadas das sandálias gladiadoras, verdadeiros hits em algumas estações passadas, que desta vez reapareceram com tiras que amarram as pernas até os joelhos.

Casando perfeitamente com esses calçados, os vestidos desta coleção, no melhor estilo das mulheres da antiguidade clássica, podem ser definidos como verdadeiras reinterpretações das túnicas romanas, tudo a ver com as gladiadoras.

A coleção, leve e romântica, também apresentou toques firmes de crueza e simplicidade. Isso pode ser notado, não só nas sandálias, mas também nas cintas de couro, nos bordados, nas cores dos vestidos, entre outros detalhes. Tudo isso com muita elegância, aliás uma característica típica das coleções de Valentino.

 Valentino1Valentino2

Valentino3

Valentino4

Valentino6

Valentino7

Tendência: os anéis de unha da Chanel

Padrão
Quem precisa de esmalte quando se tem poderosos anéis de unha como estes das fotos? Foi esta a ideia lançada pela maison Chanel em seu desfile couture de inverno 2014, realizado na manhã desta terça-feira, 02 de julho, no Grand Palais, em Paris.
A grife comandada por Karl Lagerfeld normalmente apresenta entre as suas tradições, apresentar um novo tom-desejo de esmalte para colorir as unhas das mulheres. Desta vez a proposta da grife foi outra: em vez do esmalte a Chanel enfeitou os dedos das modelos com aneis e mais aneis de brilhantes da sua alta-joalheria. A proposta, que certamente vai logo virar hit, é usar um mix de peças até a ponta dos dedos, cobrindo as unhas.
DSC_7477.450x675
DSC_7474.450x6751
DSC_7395.450x6753
Fotos: Style.com

A Chanel entra na discussão e diz sim ao casamento gay na França!

Padrão

Sempre um clássico nos desfiles de alta costura, a Chanel levou mais uma vez ao Grand Palais, em Paris, toda a força e poder que a maison ainda ostenta, mesmo em tempos com ou sem crise. Assim, no cenário de uma floresta Karl Lagerfeld apresentou suas criações e, a exemplo do que fez a revista Elle francesa, levantou a bandeira a favor do casamento gay na França encerrando o desfile com duas modelos de mãos dadas e vestidas de noivas.

Chanel-alta-costura

Abaixo, o vídeo produzido pela própria Chanel mostrando um pouco dos bastidores de seu desfile de alta costura:

 

Chanel Resort Collection 2013

Padrão

Jovens rainhas estilo Maria Antonieta ou bad girls. Qual vem a ser de fato a cara da mulher que a coleção Resort 2013 da Chanel pretendeu apresentar na tarde da última segunda-feira, em Versailles, Paris?

Seja como for, tanto a jovem realeza quanto as “garotas más” transitaram livremente e com total galhardia sob o sol ameno do fim da tarde em Paris. A locação escolhida, o jardim do palácio de Versailles, tão exuberante quanto os cenários criados por Karl Lagerfeld no interior do Grand Palais para os desfiles da maison, contribuiu fortemente para dar asas a mais um sonho da Chanel.

A figura de Maria Antonieta, nobre que viveu no século 18, período marcado pelo estilo rococó, que traduzia os excessos e a busca pelo prazer pessoal da sociedade na época, esteve bem presente nas referências desta coleção resort. Perceber isso não foi difícil. Basta prestar atenção às  cores delicadas, aos excessos nos enfeites, às formas extravagantes, aos ornamentos como fitas, babados, amarrações e flores artificiais.

  

Cores delicadas e rebuscamentos no rococó revisitado da Chanel

Não pense, todavia, que os excessos do estilo rococó deixou os looks da coleção resort da Chanel “pesados” demais. Esses detalhes foram elaborados de tal forma que as roupas conseguiram passar, claramente, as idéias de juventude, leveza e riqueza.

Outro detalhe interessante nesta coleção, diz respeito ao make das tops. Também fazendo referências à beleza de Maria Antonieta, as modelos estavam com as faces bem marcadas e personalizadas com uma pequena logo da Chanel fazendo as vezes de um sinal sobre as maçãs do rosto.

 

Kirsten Dunst como Maria Antonieta, no filme de 2005 e o make da Chanel

Assim como era a proposta do rococó, as roupas da maison também são agradáveis aos olhos e muitas delas podem literalmente sair das passarelas direto para as ruas.

Vídeo e imagens: Reprodução

Paris FW: Chanel, Fall / Winter 2012

Padrão

Eu simplesmente A M O os cenários exageradamente incríveis criados para os desfiles da Chanel no Grand Palais, em Paris. São sempre encantadores e desta vez não foi diferente!

Os looks da coleção de inverno/2012 da maison são maravilhosos. Mais uma vez a genialidade e inventividade do kaiser Karl Lagerfeld mostraram que são únicas!

Chanel, couture inverno/11 e os sapatos-lanterna de Lagerfeld

Padrão

A apresentação da coleção de alta-costura da Chanel foi mais um daqueles momentos de deslumbramento para o mundo da moda e em se tratando da Chanel e de seu estilista Karl Lagerfeld, o deslumbramento e a grandiosidade começam pelo cenário.

Como tradicionalmente ocorre, a maison apresentou a sua coleção de alta-costura no Grand Palais que desta vez foi transformado em uma versão de luxe da Place Vendôme (reduto do luxo parisiense). A Place Vendôme recriada por Lagerfeld tinha uma estátua de Coco Chanel colocada no alto de um obelisco ao centro do cenário, de onde a fundadora da marca parecia ver tudo o que acontecia lá em baixo.

Evocando a magia de um passeio à luz das estrelas, Lagerfeld levou para sua passarela muito do chique parisiense, tudo com uma boa pegada de anos 30 revisitado.

Fora os looks, sempre acertados e elogiados, esta coleção inovou nos acessórios, mais especificamente nos sapatos. Uma espécie de “sapato-lanterna” foi o objeto certamente mais comentado desta coleção. Com luz acesa no bico, os tais sapatos surgiram na passarela como um efeito especial, reforçando a evocação do kaiser a um passeio à luz das estrelas na noite de Paris. Apenas efeito de passarela, é pouco provável (creio eu) que o acessório ganhe as ruas do mundo real, a não ser por alguma celebridade em busca dos seus quinze minutinhos de fama ou por Lady Gaga e as suas produções inusitadas.

Falando ainda em sapatos, vale citar que a Chanel foi a responsável pela ressureição dos clogs, os tamancos de madeira que já foram sucesso décadas atrás e que haviam alcançado o posto de “peça non grata” entre as fashionistas, voltando a ser ícones de desejo das mulheres após terem aparecido na passarela de verão/2010 da Chanel.

Fotos: Reprodução

Nem aí para o aquecimento global, Lagerfeld faz nevar em Paris

Padrão

Este não é um post comentando a coleção de inverno 2010/11 da Chanel, desfilada ontem (09.03) em Paris. É um post sobre o desfile da Chanel, pois as coleções da grife e os seus desfiles em si, há muito se tornaram acontecimentos bem distintos e que merecem ser devidamente apreciados e comentados em separado. Como tradicionalmente acontece, os fashion shows da Chanel ocorrem no Grand Palais, um espaço tão grande quanto as exageradas (e por que não grandiosas) criatividade e extravagância de Karl Lagerfeld no que diz respeito à concepção dos cenários feitos para a apresentação de suas coleções. Para o desfile de inverno 2010/11 da grife, não foi diferente. Apesar do frio que está fazendo em Paris, não tem nevado, pelo menos para quem esteve de fora do show criado por Lagerfeld. Para aqueles que puderam estar no Grand Palais e assistir ao desfile houve neve e frio, é que a maison criou um ambiente no qual a temperatura máxima variou entre -4º e 0ºC com direito a gelo, neve e ice bergs de verdade, entre os quais um de aproximadamente 9 metros de altura no centro da passarela, todos derretendo em uma dramática alusão ao aquecimento global. Aliás, a passarela foi outro atrativo à parte: um espelho d´água de aproximadamente 1cm de profundidade sobre o qual as tops desfilaram. E para não dizer que deixei de falar das roupas da Chanel, prevaleceram as peles, peles falsas, ressalte-se, em cores que variaram do branco, passando pelo off white, preto, cinza e caramelo, usadas em jaquetas, casacos e calças, em criações que conseguiram aproximar a haute couture do ready-to-wear, como bem pontuou Sarah Mower do Style.com. E por falar em casacos, os modelos tradicionais em tweed também tiveram lugar garantido na calota polar de Lagerfeld. Por fim, nesse clima de show e de deslumbramento que só mesmo a Chanel tem conseguido criar (o vídeo postado abaixo revela através do próprio Karl Lagerfeld um pouco disso), às vezes as roupas ganham até um papel secundário dentro do evento. Não que as criações do kaiser estejam deixando de ser apreciadas, muito pelo contrário, mas, como falei no início, os seus desfiles e as suas criações alcançaram dentro do universo fashionista posições de destaque bem diferentes umas das outras. Enfim, isso é Chanel. Aqui é possível acontecer o improvável, como por exemplo você se deparar com uma geleira em plena Paris. A impressão que ficou é que só faltaram uma meia dúzia de ursos polares e alguns pinguíns para compor o cenário dentro do Grand Palais. Maravilha!

  

Fotos e vídeo: Reprodução