Paris FW S/S 2011: a grandiosidade de sempre e a emoção renovada no desfile da Chanel

Padrão

A manhã de chuva que fez esta manhã (05.10) em Paris parece que só veio ajudar para deixar ainda mais especial o desfile da Chanel, pois a cor acinzentada do céu vista através das estruturas de ferro e vidro que cobrem o Grand Palais combinou perfeitamente bem com o cenário montadao para o desfile da coleção de primavera-verão/2011 da maison: um enorme jardim de pedras brancas e pretas que formavam arabescos em torno de três chafarizes. Mesmo já sendo de praxe os enormes cenários que são concebidos para os desfiles da Chanel, este certamente foi o maior já criado (como exemplos, basta lembrar da fazendinha, da gigantesca escultura em forma de leão , da coleção Pre-fall 2010 ou da calota polar se desmanchando). Para complementar a grandeza do cenário, um casting composto por 80 modelos e uma orquestra que reinterpretou músicas de artistas contemporâneos, tais como Björk e The Velvet também fizeram parte do evento.

Todo esse clima espetacular e grandioso tornou impossível apreciar o desfile da Chanel sem se deixar levar pela emoção com que o mesmo foi apresentado. Aliás, tornou-se impossível admirar a coleção da grife em separado da forma e do local como a mesma foi apresentada. A serenidade transmitida pelo cenário foi interessantemente quebrada com a entrada das primeiras duas modelos na passarela ao som da orquestra, criando uma atmosfera onde a emoção só aumentou.

Se sempre houve um quê de muito especial na concepção de Karl Lagerfeld para os temas que costuma abordar em suas criações, com a coleção de verão/2011 não foi diferente. Aquele jogo entre masculino e feminino ganhou um significado distinto: as camisas e os blazeres que poderiam vestir a um homem, vestem a mulher da Chanel, cuja feminilidade aparece como que descuidada, meio masculinizada ainda que sem perder a leveza e a sensibilidade tão femininas e que bem no fundo não se perdeu. É possível dizer que aquela imagem de mulher romântica vivendo em um cenário bucólico da coleção de verão 2010, agora tornou-se a mulher de uma realidade urbana em meio ao caos das grandes metrópoles mundiais e que precisa transparecer força e delicadeza ao mesmo tempo.

Fotos: Reprodução

Sobre L. Borges

Blogueiro ligado em moda e estilo e jornalista nas horas vagas (RSSSSS). A idéia de criar e manter um blog de moda, O "The Fashion View" remete a um projeto da época do curso de jornalismo na faculdade de comunicação social e através dele tenho um canal através do qual posso expressar, livre e independentemente, minhas idéias e impressões acerca de diversos assuntos relacionados ao universo da MODA e que são de meu interesse. Como profissional especializado no meio, vejo e admiro a moda como uma forma incrível de comunicação não verbal que, no atual contexto da chamada pós-modernidade, tornou-se mais do que nunca capaz de revelar gostos, sensações, sexualidade, atitude, personalidade, poder, enfim, a nossa própria identidade, afinal, quem foi que disse que moda diz respeito apenas a roupas e a futilidades?!?

Sua opinião é muito importante. Registre aqui o que você achou deste post!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s